2º Fascículo

2º Fascículo – Abril de 2013

f2

“Antes de darmos continuidade a nossa reflexão sobre o contexto histórico da criação da paróquia e o início da querida Batatais vamos lembrar do nosso padroeiro.

O texto que ora apresentamos é uma crônica da professora Regina Maura de Souza Barbosa que tem colaborado significativamente para a história e cultura da nossa cidade.

Desde já os meus sinceros agradecimentos À senhora Regina Maura.

O Padroeiro

“Não apenas no Brasil, mas em toda a America Latina, são inúmeros os lugares entregues à proteção de um santo, costume esse ligado à colonização cristã a que fomos expostos. O mesmo se aplica a Batatais, cujo padroeiro é o Bom Jesus da Cana Verde, inicialmente chamado de Bom Jesus dos Batataes, conforme acusa o Dr. Jesus Machado Tambelini, em seu livro “A Freguezia dos Batataes”.

Derivada do latim patronarius, a palavra “padroeiro” significa defensor, protetor, ficando, assim, esclarecida a razão de ser do mosaico colocado no frontispício da porta da entrada de nossa igreja matriz, onde a figura do Bom Jesus coroado de espinhos, com um caniço na mão esquerda, ladeado por dois anjos, é vista sobre um fundo azul.

A devoção a ele prestada remonta tempos de Francisco de Assis e Bernardo de Claraval, na Idade Média, tendo sido trazida até nós pelos primeiros colonizadores. Ao que tudo indica, baseia-se na passagem do evangelho de São Mateus, capítulo 27, que diz: “Os soldados do governador conduziram Jesus para o pretório e rodearam-no com todo o pelotão. Arrancaram-lhe as vestes e colocaram-lhe um manto escarlate. Depois, trançaram uma coroa de espinhos, meteram-lhe na cabeça e puseram-lhe na mão uma vara” (Mateus 27,27-29).

O significado do adjetivo bom, atribuído ao nome do padroeiro (Bom Jesus), encontra suporte na dita citação, segundo a qual Jesus, Filho de Deus, rei do Universo, ao receber a coroa de espinhos, em vez de uma de ouro, o caniço, em vez de cetro real e um pedaço de pano vermelho, em lugar da túnica típica da realeza, demonstra extrema humildade, paciência e aceitação, sinônimos esses de bondade. Acresça-se a isso a primeira epístola de São Paulo aos Coríntios, onde a razão de ser dos vexames a que foi exposto o Salvador é indicada “Já que o mundo com sua sabedoria não reconheceu a Deus na sabedoria divina, aprouve a Deus salvar s que crêem pela loucura de sua mensagem… A loucura de Deus é mais sábia que os homens e a fraqueza de Deus é mais forte que os homens”.

Não admira, portanto, que ao adentrarmos a igreja matriz, encontraremos logo á esquerda, uma capela, na qual a imagem do padroeiro, talhada em madeira, descansa numa redoma de vidro sobre o altar adornado com um magnífico relevo em bronze, onde a mãe de Deus, Maria Santíssima, é vista com seu divino filho morto, nos braços. O relevo mencionado, de autoria do artista italiano Mariano Del Favero, foi transposto do altar mor de nossa segunda igreja matriz para a atual.

Narra a história que, sendo Batatais apenas uma povoação, os donos das fazendas Batatais e Paciência, aqui instalados, Bernardo José Nascimento e Antonio José Dias, fizeram erguer uma capela, com ajuda dos próprios moradores e, numa de suas idas a Minas, atendendo ao pedido de sua esposa, Dona Liberata Joaquina da Purificação, Bernardo de lá trouxe uma imagem do Bom Jesus da Cana Verde, escolhido como padroeiro da referida capela.

Como soe acontecer aos santos padroeiros, o Bom Jesus tem um dia a ele dedicado: seis de agosto, conforme assinalam os livros da paróquia, que está perto de completar duzentos anos de idade (1815-2015)

Depositária do maior conjunto de pinturas sacras de Candido Portinari no país, a matriz, de que tanto nos orgulhamos, ostenta, em seu retábulo um conjunto de cinco telas (políptico) do afamado pintor, tendo ao centro a figura do Bom Jesus, representando no esplendor de suas forças humanas, com um manto vermelho sobre seus ombros, cabisbaixo, segurando um caniço na mão esquerda. De um e de outro lado estão os doze apóstolos e, logo acima, a figura do Espírito Santo, segunda pessoa da Santíssima Trindade, irradiando luz, como a lembrar a origem divina de Cristo, razão pela qual o adoramos.

Bom Jesus da Cana Verde - Padroeiro de Batatais